Month: abril 2014

Agile Trends 2014

agile_trends_2014
Muito feliz porque em algumas horas parto para São Paulo para participar do Agile Trends.
Serão dois dias de ótimas discussões em altíssimo com a nata da agilidade. A minha conversa está programada para na quinta-feira, às 12:30, onde divido o palco com Glaucia Peres, da Globo.com. Para conferir a programação toda, acesse esse link.
Nem preciso dizer o quanto estou honrado pelo convite (obrigado Alex, Dairton e Tiago) e estou certo de que teremos uma excelente sessão.

Quem quiser saber mais corre lá no site do evento e acho que ainda dá tempo de se inscrever.

Serpenteando em direção à nenhum lugar em especial

Cinco comportamentos que muitas vezes vêm aglutinados, em cada um uma conspiração para levá-lo em direção a decepção:

Grandes sonhos: o objetivo não é impacto consistente ou um trabalho significativo, é um sucesso gigantesco, o se tornar uma a estrela e a capacidade de mudar o mundo. Não seria o suficiente para mil fãs de verdade, o grande sonhador quer um estádio lotado em cada cidade.

Maus hábitos de trabalho: Voando de projeto para projeto, à espera de inspiração para chegar, enrolando, não tendo aulas, repetindo os mesmos passos iniciais mais e mais …

Busca de atalhos: Por que se preocupar com o longo caminho quando você pode encontrar um caminho mais curto, mais rápido? Esquemas mirabolantes para ficar rico rápido, acesso privilegiado e a busca para obtê-lo agora mesmo.

Pensamento Loteria: Esta é uma variação do pensamento de atalho, mas envolve a ser escolhido. Uma pessoa, uma organização, um Mágico de Oz, que vai magicamente fazer tudo isso acontecer.

A falta de auto-consciência: a auto-ilusão de que seu material é, de fato, de classe mundial, e que os críticos, todos que você conseguiu interromper, estão errados.

Apenas por diversão, imagine alguém que abraça o oposto de todos os cinco destes comportamentos. Alguém focado em fazer o trabalho, o seu trabalho , sem descanso cada vez melhor, de enviá-lo, acumulando pequenas vitórias e ganhar um fã de cada vez. E fazer tudo isso com um olho treinado sobre o que significa fazer melhor.

Difícil imaginar uma melhor chance de fazer a diferença.

Vi esse texto no blog do Seth Godin e gostei tanto que o traduzi (porcamente) para cá. Você pode ler o original aqui.